Administração de Biden prevê meados de maio para começar a relaxar as restrições de viagens

Segundo divulgado pela CNBC, o governo Biden está olhando em meados de maio para relaxar as restrições às viagens através das fronteiras com o México e Canadá e viagens internacionais de entrada do Reino Unido, Europa e Brasil, de acordo com duas fontes familiarizadas com o assunto.



Embora não tenha havido um memorando de política ou codificação formal desse período de tempo, a discussão se concentrou em tentar limitar a disseminação de variantes internamente, à medida que as localidades tomam suas próprias decisões sobre a rapidez de reabertura. Nesse ínterim, as autoridades sugeriram que o presidente Joe Biden e sua força-tarefa da Covid precisam de mais tempo para se sentirem à vontade com a reabertura das fronteiras e o aumento do tráfego aéreo do exterior.



“Haverá uma mudança radical em meados de maio, quando as vacinas estiverem mais amplamente disponíveis para todos”, de acordo com um alto funcionário do governo.


As fontes falaram sob condição de anonimato porque não foram autorizadas a falar publicamente.

A Casa Branca não respondeu aos pedidos de comentários por e-mail antes da publicação.



O Departamento de Segurança Interna anunciou a prorrogação de um mês da proibição de travessias de terras nas fronteiras com Canadá e México até 21 de abril. Os vencimentos anteriores, renovados há um mês, haviam expirado em 21 de março.


A administração Biden tem lutado com um aumento na migração na fronteira sul, com o volume de menores desacompanhados esmagando abrigos e o número de adultos apreendidos definido para atingir o máximo de 20 anos. Os EUA têm pressionado o México a fazer mais para controlar o fluxo de migração - além de aplicar testes e mascarar o protocolo para limitar a disseminação da Covid.


Na fronteira norte, disse uma autoridade, o Canadá tem pedido aos EUA que mantenham a fronteira fechada até que os cidadãos tenham acesso às vacinas. Em um comunicado conjunto após uma reunião bilateral no final de fevereiro, Biden e o primeiro-ministro Justin Trudeau disseram que “concordaram em adotar uma abordagem coordenada com base em critérios científicos e de saúde pública ao considerar medidas para aliviar as restrições de fronteira entre Canadá e Estados Unidos no futuro”.


Quanto às viagens aéreas internacionais da Grã-Bretanha, Europa e Brasil, grupos de trabalho interagências na administração Biden concordaram em revisitar o assunto semanalmente, à medida que novos dados forem disponibilizados. Especialistas em saúde pública levantaram preocupações sobre novas variantes que podem se espalhar rapidamente em comunidades que estão reabrindo rapidamente, enquanto outras autoridades observaram que todos os viajantes internacionais devem testar negativo antes de embarcar. Essas duas visões, de acordo com fontes, se compensaram nas deliberações.